Objetos usados geram de renda extra até a criação de novos negócios

A Tarde

Empregos & Negócios

Dom, 22/04/2018 às 15:17 | Atualizado em: 22/04/2018 às 15:37

Por: Yumi Kuwano

Acumular coisas sem uso em casa já é uma atitude ultrapassada. Com os brasileiros cada vez mais conscientes na hora de comprar, e até pelo espaço reduzido dos apartamentos, acumular quinquilharia não é para todo mundo. Uma pesquisa realizada pelo Ibope, encomendada pelo site OLX, revela que aproximadamente 70 milhões de brasileiros possuem objetos sem uso, e destes 84% têm interesse em vender esses objetos. O potencial financeiro de venda desses itens chega a R$ 262 bilhões.

Com isso, as pessoas começam a dar um jeitinho de ganhar um dinheiro extra, ou até fazer disso a sua renda principal. E são inúmeras as possibilidades. Com a tecnologia, é possível encontrar plataformas gratuitas para anunciar seus objetos usados, como o OLX e o marketplace Enjoei, que tem foco principalmente em moda.

Mas o que caiu no gosto das pessoas mesmo foram os grupos criados nas redes sociais, principalmente no Facebook e WhatsApp, exclusivamente para vendas e trocas de produtos. Neles, as vendas de coisas usadas podem ser feitas de forma bem prática e simples e o negócio é fechado pessoalmente, em lugar público, marcado pelo vendedor e comprador do item.

Talita Pimentel é uma das adeptas dos brechós online. Percebeu que tinha muitas roupas sem uso em seu armário e teve a ideia de criar um grupo no WhatsApp e adicionar as meninas do seu perfil do Facebook para vender essas peças. “Eu viajo bastante, então tenho muita coisa. Comecei a ganhar dinheiro com isso e aproveitei para renovar o guarda-roupa. Encontrei grupos no Facebook em que anuncio e fiz um perfil somente para venda”, conta.

Além disso, ela descobriu que era comum haver também trocas de produtos. “Isso é incrível, porque, além de vender, também posso trocar por peças que me interessam”, observa. “Já vendi muito mesmo. Os encontros para entrega são sempre em lugares públicos e até brinde trocamos. É bem divertido”, completa.

Segundo Anderson Teixeira, analista do Sebrae, isso é um movimento crescente no mercado. “Sempre existiram os sebos e brechós, por exemplo, mas hoje todo mundo pode ter a sua página e fazer suas vendas através da internet, no espaço da própria casa”, analisa Anderson.

Ele atenta que isso também é um tipo de negócio, mas que acontece na maioria das vezes na informalidade e recomenda, se a pessoa realmente quiser se tornar um empreendedor, buscar se tornar microempreendedor individual (MEI), para ter mais segurança ao vender e para quem vai comprar. “Independentemente de ser usado ou não, pode ser emitida uma nota fiscal para produto”, explica.

Peças para alugar

Já o trio Cecília Barreto, Lara Tironi e Igor Tironi viu um potencial de negócio de uma forma um pouco diferente. Um aplicativo em que os usuários podem colocar suas peças de roupa e acessórios para alugar, o LOC. No ano passado, lançaram a versão de teste do aplicativo com 100 pessoas de Salvador, durante dois meses. Após esse período, a ideia foi validada, receberam o primeiro investimento e ele foi oficialmente lançado no final do ano.

“O objetivo do negócio é criar a possibilidade de aluguel de roupas do dia a dia, não só de festas, e de a pessoa estar sempre na moda sem precisar comprar”, explica Cecília. Para isso, os sócios investiram muito no marketing, como parceria com blogueiras e evento de lançamento para divulgação da novidade.

A empresa de tecnologia, como a sócia define, ainda está em fase de fortalecimento, com uma média de 60 aluguéis por semana, mais de sete mil downloads e cerca de R$ 1 milhão em peças cadastradas.

“O LOC é um facilitador. Não alugamos nada, todas as peças são de usuários, o aplicativo intermedeia a transação garantindo segurança para quem usa e cobra 30% de taxa do valor da peça”, conta.

A ideia surgiu de uma necessidade de Lara de não gastar dinheiro com tendências passageiras, mas Cecília conta que, mais do que isso, elas logo perceberam o potencial de que seria um negócio promissor. Os planos são de expandir para outras cidades.

*Sob supervisão da editora Cassandra Barteló

Reportagem completa: http://atarde.uol.com.br/empregos/noticias/1953672-objetos-usados-geram-de-renda-extra-ate-a-criacao-de-novos-negocios

Alameda Salvador, 1057
Sala 911 - CEP 41.820-790
Salvador/BA
(11) 97365-1464
oi@meuloc.com